Contratos para Assistentes Virtuais

Contratos para Assistentes Virtuais

O tema deste artigo é a tua segurança!

Quando estás num emprego, o contrato de trabalho é o que te dá certezas e segurança.

É com o contrato que sabes quando começaste, a eventual data de término, quais as tarefas previstas, qual a remuneração, etc.

E, no entanto, mesmo sabendo da importância de um contrato quando trabalham para outros, muitos prestadores de serviços não fazem contratos com os seus clientes.

Há 1001 coisas erradas com isto.

Mas o maior erro é não teres um documento legal que não te protege a ti nem ao cliente.

O contrato é das primeiras coisas (e das mais essenciais) com que te deves preocupar quando começas o teu negócio.

E os contratos para assistentes virtuais não são exceção e devem ser revistos por um advogado sempre que possível.

Esta é daquelas coisas em que não vais querer poupar.

E vamos dar-te 5 razões para isso.

Contratos para Assistentes Virtuais: 5 razões por que são importantes

Contratos para Assistentes Virtuais

1. Explicita os serviços a prestar (e durante quanto tempo)

Quando acordas o tipo de serviços a prestar por telefone ou numa conversa, é muito fácil dar o dito por não dito.

Mesmo por email, e apesar de estar escrito, pode tornar-se simples dar-se a volta à situação.

Porque podem, teoricamente, ter existido outras conversas à parte (escritas ou não) e o acordo acaba por não ser totalmente fechado.

Com um contrato isso não acontece.

Ao incluir no teu contrato para seres assistente virtual toda a informação sobre os serviços e tempo de execução acordados, a partir do momento em que as partes envolvidas o assinam, o contrato é o elemento mais importante.

A partir desse momento, se o cliente te pedir serviços que não estão descritos no contrato podes negá-los ou apresentar um novo valor para os mesmos.

Da mesma forma, caso não cumpras a tua parte, o cliente é livre de revogar o contrato de acordo com as cláusulas e condições incluídas.

Um contrato deste género vai proteger ambas as partes e, ao contrário do que possas pensar, fazer o contrato também é do interesse do teu cliente.

Mesmo que ele possa dizer (ou pensar) o contrário.

2. Diz quanto vais cobrar – e o que acontece se falharem com o pagamento

É muito, muito importante que, para além de incluir no contrato todos os serviços que vais prestar, incluas quanto vais cobrar.

Só assim tens essa parte também descrita explicitamente de uma forma que nenhuma das partes pode negar.

Outro ponto que deves incluir são as consequências do não pagamento.

Por alguma razão, a maioria dos contratos para assistentes virtuais que já tivemos oportunidade de rever não incluem uma cláusula deste género.

O que é um tremendo erro!

Se aceitamos que nos cobrem juros quando alguma mensalidade está em atraso (renda, internet, banco, etc.) – e fazemo-lo porque sabemos que fomos nós quem falhou –, porque sentimos tanto receio em incluir estes termos nos nossos próprios contratos?

O cliente tem de saber que se não pagar até à data estipulada há consequências.

Sejam elas a paragem súbita da prestação dos serviços ou juros de mora.

3. Protege-te na altura de aumentar o preço

Todos os anos, no início de cada ano, há um tema na mente e na boca de toda a gente.

Não é um tema agradável, mas é uma realidade constante.

Chama-se inflação.

A inflação não é mais que a atualização dos preços para que estejam de acordo com os acertos e aumentos dos bens e serviços.

Tu, enquanto assistente virtual, prestas um serviço.

Logo, a inflação é algo que também podes (deves) aplicar à tua profissão.

Como qualquer cidadão, a internet, a água, a luz, os consumíveis, etc., também ficam mais caros para ti. E não podes ficar em prejuízo.

No entanto, pode ser muito difícil acordar um valor mais alto com um cliente se este aumento não estiver previsto aquando da assinatura do contrato.

Incluir no contrato (e no acordo) uma atualização de preços a cada ano (ou a cada dois anos, no máximo) vai proteger-te sempre que precisares de informar os clientes das tuas novas tarifas.

4. É uma forma justa e legal de terminar a colaboração a bem

modelo de contrato para assistente virtual

Um contrato, como já o dissemos, é algo que protege ambas as partes.

E não protege apenas na execução, mas também na altura em que cada um tem de seguir o seu caminho.

Contratos para assistentes virtuais (e não só) bem feitos têm de ter uma forma de permitir a qualquer das partes terminar a colaboração de uma forma amigável e dentro do acordado.

Por exemplo, em contratos de trabalho por conta de outrem, tens de dar um aviso prévio de 15, 30 ou 60 dias mediante o tipo de contrato e o tempo em que trabalhaste na empresa.

Com prestações de serviços deves incluir uma cláusula semelhante.

Regra geral, os prestadores de serviços pedem entre 30 a 60 dias de aviso prévio.

Mas quem decide o tempo real és tu, mediante o teu número de clientes e a segurança que queres ter.

5. Amigos, amigos… Negócios à parte

Quando estão negócios e dinheiro envolvidos, é fácil esquecer amizades.

Eu sei que vais querer facilitar, porque é uma pessoa amigável ou de confiança, mas não deves NUNCA trabalhar para um cliente sem um contrato assinado e específico à tua área.

Nem tudo o que parece é.

E a verdade é que as pessoas se protegem primeiro a si mesmas antes de proteger os outros – especialmente nos negócios.

Aliás, bem viste isto nos outros 4 pontos.

Se não tens um contrato para assistentes virtuais a proteger-te, podes ficar em muitos maus lençóis.

Minutas de Contratos para Assistentes Virtuais

A importância que estamos a dar aos contratos para assistentes virtuais é genuína e algo com que também nos preocupamos.

Na altura em que começou, a Vera contactou um advogado de confiança que a ajudou a elaborar um modelo de Contrato de Prestação de Serviços ESPECÍFICO para assistentes virtuais, e ainda um modelo de Contrato de Confidencialidade.

Um modelo de contrato dá para usar para todos os vossos clientes — só tens de ajustar os detalhes.

Se precisares de um contrato, podes consultar as minutas-tipo que a Vera e o advogado criaram neste link.

Esperamos que ajude!

Gostaste deste artigo? Partilha-o com alguém que precisa destas sugestões.

Deixe uma resposta