As minhas 5 dicas para um melhor posicionamento no Instagram

As minhas 5 dicas para um melhor posicionamento no Instagram

janine pinto membro do mes vamos club

“Nós somos capazes de tudo, basta querermos e lutarmos por isso.”

— Janine Pinto

Sou Assistente Virtual e ajudo empreendedoras a alavancarem os seus negócios no Instagram.

O meu objetivo é que tu, tal como eu, não fiques à espera do momento certo (ele não existe) e corras atrás dos teus sonhos, te tornes uma empreendedora de sucesso. 

Há um ano, em plena pandemia, fiquei sem emprego e não sabia o que fazer.

Senti que talvez fosse a hora de avançar, mas o meu síndrome do impostor fazia com que eu duvidasse sempre de mim e das minhas capacidades.

Quando estava quase a mentalizar-me que era mais forte que as minhas inseguranças, lá surgia mais uma. 

Eu não quero que passes pelo mesmo, porque acredita, olhando para trás vejo o tempo que desperdicei.

Nós somos capazes de tudo, basta querermos e lutarmos por isso. Eu consegui, tu vais conseguir, e eu estou aqui para te auxiliar em todo o posicionamento estratégico e para te explicar como funciona a plataforma. 

Mas antes disso, vou dar-te algumas dicas para começares e teres um bom posicionamento.

As minhas 5 dicas para um melhor posicionamento no Instagram

Nicho

Definir um bom posicionamento é essencial, para que quem te segue saiba exatamente do que falas, quem és, com quem falas.

Por isso, começa por teres a certeza do teu nicho.

Tal como estou sempre a dizer, quem fala para toda a gente acaba por não falar para ninguém. Se tentares fazer isto, vais dispersar e dificilmente serás autoridade na tua área.

Pensa, por exemplo, no “nicho” Lifestyle.

Normalmente são pessoas que falam de tudo mas não são referências em nenhuma área específica.

Tanto falam de moda, como viagens, maquilhagem, comida, etc. Isso torna-as conhecidas, atrai mais pessoas, mas não necessariamente os converte em clientes.

Autenticidade e Vulnerabilidade

autenticidade no instagram

Podes e deves partilhar conquistas e a tua história. Isso ajuda-te a conquistar autoridade, a posicionares-te e a conectares-te com o teu público.

Vai partilhando cursos que tenhas tirado, aprendizagens novas, objetivos cumpridos.

Tudo isto fará com que quem está do outro lado se identifique e te comece a ver como inspiração.

O mesmo serve para dificuldades que possas ter passado até chegares onde estás, ou que estejas a passar neste momento.

As pessoas conectam-se com quem mostra vulnerabilidade e autenticidade.

Isto é o que te vai diferenciar e vai mostrar quem realmente és. 

Nenhum de nós é igual, portanto, quanto menos robotizado for o teu comportamento, mais conquista quem está do outro lado, e mais atrais pessoas semelhantes a ti (caso seja esse o teu objetivo).

Se fores muito extrovertida, mas o teu cliente ideal é alguém mais formal e introvertido, talvez devas adaptar a tua comunicação, mas nunca perdendo a tua essência.

Hoje em dia, as pessoas procuram marcas humanizadas, onde reconheçam a cara que está por trás, com a qual se identifiquem. E tu deves tentar destacar-te, não por seres melhor, mas por seres tu e fazeres diferente

Diferenciação

Dá razões às pessoas para comprarem de ti e não do teu concorrente.

Porque é que compras Apple e não compras Samsung, por exemplo?

Porque o propósito e o posicionamento de uma, perante a outra, é muito mais marcante. 

A Apple foca-se muito na elegância e na exclusividade que os seus clientes têm.

Tu podes proporcionar isso, ainda que na tua dimensão. Ou não te faz sentido?

Pode não fazer e está tudo bem, mas há alguma coisa que, se pensares bem, fará com que te possas diferenciar, independentemente do serviço ser igual ou semelhante ao já existente no mercado.

Dou-te outro exemplo: a Starbucks.

Quem quer beber um bom café não precisa de ir lá, mas eles posicionaram-se pela experiência que proporcionam ao consumidor.

O ambiente familiar, acolhedor, o nome no café (quem é que te chama pelo teu nome? Família ou amigos), podes trabalhar no espaço e teres acesso a carregadores. Tudo isto contribui para que a marca se distinga da concorrência.

Identidade Visual

A identidade visual é algo que também deves trabalhar.

Se te falar na Apple ou na Starbucks, deves saber quais as cores que estão associadas à marca, certo? 

Com o tempo, o teu público também deve reconhecer os teus posts, mesmo não olhando para o teu nome. Se isso acontecer, a tua identidade visual está bem trabalhada. 

Pensa bem qual a paleta de cores que pretendes associar à tua marca (estuda a psicologia das cores), a tipografia, os elementos gráficos e caso tenhas uma loja online que faça entregas, pensa num elemento olfativo que te identifique (ex: sempre o mesmo perfume).

Crenças, valores e Rituais

Por fim, e não menos importante, é de extrema importância que saibas o que a tua marca vai defender.

Quais vão ser os valores? Quais as crenças, aquilo em que acreditas, que é inegociável para ti? E que rituais vais ter?

Tudo isto fará com que atraias o público certo.

Por exemplo, uma das minhas crenças é que a nossa história importa, nós somos importantes e fazemos parte da nossa marca.

Mesmo que alguém me diga o contrário, que o nosso percurso é irrelevante para crescer, conectarmo-nos ou criarmos comunidade, eu vou contra argumentar.

O mesmo serve para os valores.

Assim como vais querer atrair pessoas com valores semelhantes aos da tua marca, ela terá valores idênticos aos teus, isso é inevitável.

Por isso, faz uma lista do que é mais importante para ti (vai ajudar-te posteriormente a definires a tua persona).

Relativamente aos rituais, convém que estejam relacionados com as tuas crenças ou que sejam associados a ti.

O objetivo é gerar previsibilidade, para que as pessoas saibam o que fazemos, quando e como, de forma a que elas próprias possam replicar, caso pretendam.

Janine Pinto, Assistente Virtual especialista em Instagram

Com mais de 40 clientes de consultoria e mentoria, sou a pessoa que te pode ajudar a alavancar o teu negócio no digital.

Tenho o Mestrado em Psicologia Educacional e uma Pós-graduação em Recursos Humanos.

Sempre me imaginei a trabalhar na área da Psicologia, no entanto, como nem sempre o que estudamos é o nosso futuro, decidi enveredar por outra área. 

Receios e inseguranças eram o meu bloqueio, o que não me deixava avançar como Trabalhadora Independente, no entanto , decidi que o medo não ia ser mais forte que eu e assim assim surgiu o meu negócio como Assistente Virtual.

Se quiseres saber o que posso fazer por ti, basta que entres em contacto:

Website

Instagram

Deixe uma resposta